Provincia di Roma
Santuario D’ Oropa – Biella – Italia
Chiesa Cattolica Italiana
Provincia di Biella
DA BENÇÃO E ASPERSÃO DE ÁGUA - DAS PROCISSÕES E DA CHEGADA DO SACERDOTE AO ALTAR PDF Imprimir E-mail

 

Benção e aspersão da água

Que ordena a rubrica do Missal quanto à água?

R. A rubrica do Missal ordena que todos os domingos, antes da Missa, o celebrante, revestido com todos os paramentos sagrados, exceto a casula, deve benzer a água para aspergi-la sobre o povo.

Quando começou essa tradição?

R. A benção e a aspersão da água sobre os fiéis é uma tradição muito antiga. Já S. Basílio, Bispo de Cesárea e Doutor da Igreja, que viveu no século IV, a colocava entre as tradições apostólicas. Além disso, os padres mais antigos da Igreja nos falam dessa água purificada e santificada pelo sacerdote, cuja finalidade, ao aspergi-la sobre o povo, é de purificá-lo e prepará-lo para a santa oblação.

Quais são os elementos utilizados na benção da água?

R. Os elementos utilizados para a benção da água são: água e sal.

Por que se utiliza do sal e da água para a benção?

R. Porque a virtude da água é de lavar, e a do sal é de preservar da corrupção. Ao tomar estes símbolos comuns de pureza e de salubridade, a Igreja os exorcisa, isto é, os ordena, por parte de Deus e pelos méritos da cruz de Jesus Cristo, que não prejudiquem os homens pelo abuso que o demônio poderia fazer deles, e que, pelo contrário, lhes seja útil para a salvação.

Por que a Igreja invoca o poder divino sobre o sal?

R. Para que ele preserve os homens de tudo quanto possa ser prejudicial à salvação, da mesma forma que o profeta Elias lançou sal sobre as águas de Jericó, para torná-las salubres à terra, dizendo da parte de Deus que estas águas não causariam a morte nem a esterilidade. Para isto também são feitos os exorcismos que se fazem sobre a água batismal, para a consagração das igrejas e sobre os objetos inanimados.

Quando a Igreja começou a fazer exorcismos?

R. Os exorcismos remontam à mais antiga era. Tertuliano se refere a eles quando diz que “as águas são santificadas pela invocação de Deus” (De Bapt. C. 40); e São Cirilo afirma mais claramente que é preciso que a água seja purificada e santificada pelo sacerdote (Epístola 70).

Como o sacerdote procede à benção da água?

R. O sacerdote abençoa e mistura o sal na água, reunindo os dois efeitos de purificar e de preservar da corrupção, dizendo: “Faça-se a mistura do sal e da água, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” , fazendo vários sinais da cruz para indicar que só esperamos os efeitos que estes sinais expressam, implorando a onipotência da Santíssima Trindade, pelos méritos da cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Que pede a Deus o sacerdote depois do exorcismo do sal?

R. Depois do exorcismo do sal o sacerdote pede a Deus: “Que sirva este sal a todos quantos o tomem para a saúde do seu corpo e da sua alma, e que tudo o que for tocado por ele se preserve de toda impureza e de qualquer ataque do espírito da malícia”.

Que diz o sacerdote após o exorcismo da água?

R. Diz ele: “Derramai, Senhor, a virtude da vossa benção sobre este elemento preparado para as diversas purificações; a fim de que receba vossa criatura, servindo aos vossos mistérios, o efeito da vossa divina graça para lançar os demônios e as enfermidades; que tudo quanto seja por ela tocado nas casas e nos demais lugares dos fiéis, se preserve de toda a impureza e de todo o mal; que afaste desta água todo o sopro pestilento, todo o ar corrompido, que a preserve de todo o ataque do inimigo oculto, e de tudo quanto possa ser danoso à saúde e ao repouso dos que lá vivem; e, finalmente, que se conserve contra todo o tipo de ataques esta saúde que pedimos por invocação do vosso santo nome”.

Que proveito podemos tirar dos ensinamentos acima?

R. Os ensinamentos acima nos convidam a usar da água benta na igreja, bem como a conservá-la em nossas casas, para dela nos servir nas tentações, ao deitar, ao despertar, para pedir o auxílio de Deus em todas as circunstâncias de perigo, quer para o nosso corpo como para nossa alma.

Por que o sacerdote asperge o altar e o santuário?
R. O sacerdote asperge o altar e o santuário para afastar o que poderia perturbar o recolhimento dos ministros. O sacerdote asperge a si mesmo e ao povo para dispô-lo a participar com ele das graças que ele pediu para a Igreja na benção da água, e diz em voz baixa o salmo Miserere, porque, para obter essas graças, é preciso manter a atitude de arrependimento e penitência expressa neste salmo.

Como responde o povo a este salmo?
R. O povo canta somente o primeiro versículo do Miserere, acrescentando, antes e depois, esta antífona: Vós me tocareis, Senhor, com o hisopo, e serei purificado: me lavareis e ficarei mais branco que a neve. .

O que é o hisopo?

R. Hisopo é o menor arbusto; suas folhas, escuras e esponjosas, são próprias para reter a água para a aspersão, e sua propriedade, que é de purificar e secar os maus tumores, é feita como um sinal muito apropriado da purificação do corpo e da alma.

O hisopo foi sempre utilizado para a aspersão?

R. Sim. No Antigo Testamento havia a aspersão do sangue do cordeiro nas portas dos israelitas como hisopo (Ex 12, 22), bem como o sangue e cinzas da vaca e da água para purificar da lepra. Mas o profeta e a Igreja visavam mais a aspersão do sangue de Cristo, do qual aquelas eram figuras na lei antiga. Por isso devemos pedir nesta cerimônia, a aspersão do sangue de Cristo, ou seja, a aplicação dos méritos deste preciosíssimo sangue, o único que pode apagar os nossos pecados e nos preservar de todos os males.

Como o sacerdote termina esta oração?

R. O sacerdote conclui a oração dizendo:”Ouvi-nos, Senhor, Padre Onipotente, Deus eterno; dignai-vos enviar dos céus vosso santo anjo para que governe,vigie, proteja, visite e defenda a todos os que estão neste lugar. Por Nosso Senhor Jesus Cristo”.

A que anjo o sacerdote se refere naquela oração?

R. É o mesmo anjo que Deus enviou a Tobias e que o preservou contra todos os ataques do espírito maligno que havia matado os sete maridos de Sara, conduzindo-o são e salvo.
Procissão antes da Missa

Que significa “Procissão”?

R. A palavra procissão vem do termo latino procedere, que significa marchar, ou ir adiante. Por procissão se entende a marcha, o caminhar, que fazem o clero e o povo rezando para determinados fins religiosos, levando à frente a cruz de Cristo, que é o caminho e guia dos fiéis.

Quais são as origens das procissões?

R. Seguindo a tradição do Antigo Testamento, havia procissões para levar a arca santa de um lugar para outro; no século VI vemos o costume de celebrar-se Missa nos túmulos de mártires, ou em lugares de devoção; fazia também procissões para benzer cemitérios e lugares próximos de igrejas.

Quando se realizavam as procissões?

R. As procissões eram feitas no raiar do dia para imitar as santas mulheres que se dirigiram bem cedo ao sepulcro de Nosso Senhor.

Por que se fazem procissões antes da Missa nos domingos e festas solenes?

R. A finalidade das procissões antes da Missas é de abençoar os caminhos e as casas com a água santificada e, principalmente, pela presença de Cristo, como nas solenes procissões da Páscoa.

Há outras finalidades nas procissões?

R. Sim; como de honrar algum mistério, como a entrada de Nosso Senhor no templo, ou sua entrada triunfal em Jerusalém no dia de ramos; da sua ascensão ao céu; ou atrair as bênçãos de Deus sobre os bens da terra, etc. A finalidade principal das procissões é de mostrar que o cristão é um viajante em desterro na terra e que o céu é sua verdadeira pátria para a qual ele se encaminha guiado por Cristo, sob a proteção de Nossa Senhora e dos santos patronos, cujos estandartes ele leva, iluminado pela luz da fé, pelo exercício da oração e da penitência, para chegar ao altar visível e deste ao altar do céu, onde está o verdadeiro repouso e a felicidade eterna: estes são os piedosos motivos que devem animar os fiéis nas procissões.

Há paramentos especiais para o sacerdote e clérigos nas procissões?

R. Sim. Normalmente o sacerdote usa a cappa, que era um grande manto com um capus que o abrigava da chuva; daí o nome: pluvial. Hoje, a capa é só um ornamento.

Como o povo acompanha a procissão?
R. Durante a procissão cantam-se hinos, salmos, antífonas, ladainhas e mais frequentemente responsórios, finalizando com uma oração geral recitada pelo sacerdote que a dirige.
Chegada do sacerdote ao altar

Que faz o sacerdote ao fim de tudo o que precede o Santo Sacrifício?

R. Terminada a preparação do sacerdote à oblação propriamente dita, e tendo se revestido dos paramentos, com as virtudes que são próprias às suas funções, com as armas da luz e a luz mesma que lhe serve de capa (Ps. 102), faz o sacerdote uma reverência respeitosa à cruz situada na sacristia, recebendo como embaixador de Cristo que o envia as últimas instruções para realizar o Santo Sacrifício.

Que significa a casula que reveste o sacerdote?
R. A casula lembra Nosso Senhor Jesus Cristo subindo ao Calvário, carregando o divino madeiro; e, avançando, o sacerdote segue em espírito como ao sacrificador principal de que ele é indigno representante.

Que significa o caminho do sacerdote da sacristia ao altar?

R. O sacerdote se encaminha da sacristia ao altar, conforme determina a rubrica, pois deve revestir-se na sacristia e este caminho representa o Salvador vindo a este mundo, manifestando a vontade de se oferecer e começando o seu sacrifício desde a Encarnação.

Que representam os acólitos?

R. Os acólitos, portando velas acesas e precedendo o sacerdote, simbolizam a luz que ilumina todo homem que vem ao mundo e que brilhou para os que se encontravam nas trevas e nas sombras da morte.

Por que os acólitos levam a cruz, e o incenso?

R. Levam a cruz para mostrar o sacrifício que marcou a vida de um Deus feito homem; o incenso, para indicar o perfume da doutrina e das virtudes que ele veio ensinar ao mundo.

Que representam os demais participantes da procissão que antecedem o sacerdote celebrante?

R. Os membros da ordens menores representam a longa série de profetas; o subdiácono e o diácono, que são como os apóstolos da Nova Lei e do evangelho. (Nota: as ordens menores foram suprimidas após o Concílio Vaticano II).

Por que caminham com passo lento e sério?

R. Assim caminham como convém ao representante de um Deus e dispensador dos mistérios sagrados. Em missas solenes o sacerdote é acompanhado por outro com cappa, denominado de assistente, para substituí-lo se por algum motivo ele não possa concluir o Santo Sacrifício, e para auxiliá-lo e servi-lo durante a liturgia.

Que mais ordena a rubrica quanto à procissão antes da Missa?

R. A rubrica determina ainda que o sacerdote deve andar de cabeça coberta, significando que ele está revestido da autoridade de Cristo e só se descobre quando passa diante de um altar ou diante do Santíssimo Sacramento exposto, ou quando da elevação ou da comunhão.

 
< Anterior   Seguinte >
Copyright © 2010 Catolicismo Romano | Powered by Redação 24 Horas